Buscar

O acesso das mulheres à educação não explica a desigualdade de mercado


Segundo a PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio), nas faixas etárias de 6 a 17 anos a frequência escolar média se mantém semelhante entre meninos e meninas. Mas para a faixa etária de 18 a 24 anos o percentual de mulheres nas escolas se mostra superior ao de homens. As mulheres também se mostram em vantagem educacional nas análises de indicadores que mensuram o atraso escolar e o nível educacional da população adulta.

Os resultados mostram que, em média, as mulheres superam os homens nos indicadores educacionais. Entretanto, há considerável desigualdade entre mulheres brancas e mulheres pretas ou pardas, evidenciando que a cor ainda retrata desvantagem educacional e social que precisa ser discutida, observada e modificada.

Acima disso, a pesquisa conclui que independentemente de as mulheres apresentarem os melhores resultados educacionais (competência e bagagem técnica) em média, elas ainda não alcançam, no mercado de trabalho, resultados compatíveis com sua qualificação. Isso se reflete na sociedade e na cultura, além de retratar a necessidade de observar o que está acontecendo no caminho dessas mulheres entre a escola/universidade e os empregos e cargos a que elas estão tendo acesso.

#50já

Envie uma mensagem

  • ABRA - Facebook
  • ABRA Instagram
  • ABRA Twitter
  • Youtube ABRA

Telefone: 61 9 9250-5315

E-mail: contato@abra.adv.br

 

Brasília - DF

 

 

Site criado em 2018 pela Navegar Consultoria | Atualizado em 2018 pela ABRA